Sites Grátis no Comunidades.net
Economia e mercado - Resumo -
Economia e mercado - Resumo -

Resumo da matéria Economia e Mercado

 

Unidade I

 

Introdução a Economia

 

Ninguém vive isolado, as pessoas precisam das relações humanas para obter alimentos, segurança, lazer, etc..

 

Inicialmente, essas relações baseavam-se na troca de mercadorias. Com o tempo, surgem a moeda e o estudo da economia.

 

Alguns países tornaram-se mais eficiente em algumas áreas e menos em outras e grande parte disto esta ligada à forma de organização do estado, a forma de organização da produção, à importância de algum aspecto na cultura de determinado povo.

 

A economia é o estudo ou a ciência que tenta responder por que existe pobreza ou riqueza, por que alguns países são mais desenvolvidos, enquanto outros estão com tantos problemas a resolve.

 

Atualmente, a evolução da economia ocorre numa escala nunca observada anteriormente. Muitos estudiosos, para caracterizar o mundo em que vivemos, dizem que estamos na era digital, era do conhecimento, era das redes, etc..

 

Por outro lado apesar da economia digital, esta só trabalha com dados e informações, sejam elas gráficas, textuais, numéricas, etc.. Tais informações podem ser importantes, mas as pessoas vivem no mundo real, e nele elas precisam de alimento, roupas, transporte...

 

Os países dependem muito do investimento de seus governos para poderem se desenvolver e para o governo investir, ele precisa muitas vezes pegar dinheiro com investidores ou com quem tenha capital disponível para investir. Por outro lado quem investe precisa de garantia de que vai receber de volta o dinheiro investido e o pagamento pelo mesmo.

 

Macroeconomia - economia do país.

Microeconomia - economia das empresas, casas, etc..

 

Economia é uma ciência que se preocupa com aspectos sociais de indivíduos e grupos no mundo das relações entre a demanda por recursos e a escassez dos mesmos.

 

O conceito principal de economia são ligados à demanda por recursos e à escassez desses recursos.

 

A economia estuda a maneira como de administram os recursos escassos, com o objetivo de produzir bens e serviços e distribuí-los para seu consumo entre os membros da sociedade.

 

Teorias econômicas: teorias surgem para tentar explicar fenômenos que são observados pelas pessoas. Um fenômeno ;e um fato. Uma teoria pode explicar um fato até determinado ponto, quando uma teoria não consegue mais explicar novos fenômenos, ela chegou ao seu limite, e é preciso se encontrar novas explicações, que são novas teorias.

 

Vasconcellos e Garcia apresentam as seguintes considerações sobre o que é economia: "é uma ciência que estuda como o indivíduo e a sociedade decidem empregar recursos produtivos escassos na produção de bens e serviços, de modo a distribuí-los entre as várias pessoas e grupos da sociedade, a fim de satisfazer as necessidades humanas.

 

Economia Digital – é a economia que ocorre com pessoas comprando e vendendo coisas por meio da internet, estudado em cursos a distância que funcionam em meios digitais, realizando pagamento e transações bancárias por computador, etc..

 

Onde houver a possibilidade de geração de riquezas, emprego, salários etc., isso é um assunto relacionado com a economia.

 

E-business – maneira de se fazer negócios por meio do uso da web.

 

E-commerce – comércio eletrônico

 

A economia virtual não dispensa a economia real, e nela há também os problemas de demanda e oferta.

 

DEMANDA – é aquilo que o mercado pede, exige e necessita

 

OFERTA – é aquilo que é produzido e disponibilizado ou oferecido ao mercado em termos de serviços ou produtos respectivamente.

 

ESCASSEZ – se refere a limitação dos bens e serviços oferecidos na sociedade.

 

MACROECONOMIA

 

É a parte da economia especializada na análise da produção nacional total, renda, desemprego, crescimento econômico e a balança de pagamentos. Ela estuda o funcionamento da economia em seu conjunto. Seu propósito era obter uma visão simplificada da economia e ao mesmo tempo, permitir conhecer e atuar sobre o nível da atividade econômica de um determinado país ou de um conjunto de países.

Podemos dizer que macroeconomia é a economia dos países vista de um modo “macro”, ou seja amplo. O que promove o desenvolvimento econômico de um pais é a formulação de boas políticas macroeconômicas. Geralmente as políticas macroeconômicas são definidas pelo Governo Federal.

 

ORGANIZAÇÕES – são agrupamentos de pessoas, recursos e instalações que trabalham juntos para alcançar objetivos comuns. Devido às mudanças que ocorrem com freqüência, torna-se necessário que as organizações se adaptem com rapidez para continuarem sendo bem sucedidas, para poderem progredir ou até mesmo sobreviver.

 

Contas nacionais

 

Uma das formas de entender a economia de um país é estudarmos suas contas nacionais,com isso procura-se entender sua situação econômico-financeira. Quando se fala em sistema de contas nacionais, pensa-se nos países como sendo grandes empresas, produzindo um produto único, o Produto Nacional Bruto, o agregado de tudo que é produzido no país.

Na contabilidade nacional , usa-se o método das Partidas dobradas, e alguns dos princípios utilizados no levantamento e medição para esse tipo de contabilização são:

Considerar apenas as transações com bens e serviços finais.

Mede-se produção corrente do próprio período (um ano geralmente)

Não se considera os valores das transações puramente financeiras da contabilidade social.

A moeda é apenas um padrão de medida para a contabilidade social.

 

 

MICROECONOMIA

 

Estuda as decisões em empresas e famílias sobre preços e produtos em ramos de atividade específicos.

Ela esta preocupada com como as unidades individuais tomam suas decisões e com os fatores que afetam essas decisões. Assim quando explicamos o aumento de preço do petróleo como conseqüência de aumento na demanda de energia, estamos fazendo uma colocação tipicamente microeconômica.

A microeconomia explica como é formado o preço dos produtos e os fatores de produção. Ela se divide em:

 

Teoria do consumidor: analisa as preferências do consumidor, seu comportamento e escolhas. Como corolário dessa teoria, surge a curva de demanda.

 

Teoria da firma: preocupa-se com a estrutura econômica das empresas, cujo objetivo é maximizar os lucros. Dessa teoria, cria-se a curva de oferta.

 

Teoria da produção: trabalha o processo de transformação de fatores adquiridos pela empresa em produtos finais para venda no mercado. Determina o volume ótimo de oferta.

 

Economia pré-científica

 

Os precursores da teoria econômica, ou seja, da economia pré-científica levam em conta as ideias econômicas da antiguidade, do mercantilismo, da fisiocracia e dos clássicos.

 

O período do mercantilismo

 

Entre os séculos XVI e XVII, surgem na Europa as doutrinas mercantilistas, e tornava-se importante acumular ouro e metais, para se ter riquezas apesar de não representar um conjunto homogêneo, o mercantilismo tinha algumas preocupações explícitas sobre a acumulação de riquezas de uma nação. Continha alguns princípios de como fomentar o comércio exterior e entesourar riquezas...

 

Considerava que o governo de um país seria mais forte e mais poderoso quanto maior fosse seu estoque de metais preciosos. Com isso, o mercantilismo acabou estimulando guerras, exacerbou o nacionalismo e manteve a poderosa e constante presença do Estado em assuntos econômicos.

 

 

O período da fisiocracia

 

Os fisiocratas na França, século XVIII, considevam benéficos os resultados do livre-comércio e entendiam a riqueza como sendo a soma dos bens produzidos anualmente. sustentavam que a terra era a única fonte de riqueza e que havia uma ordem natural que fazia com que o universo fosse regido por leis naturais, absolutas, imutáveis e universais, desejadas pela Providência Divina para a felicidade dos homens.

 

Economia Científica

A economia científica começa quando existe a preocupação em se ter critérios científicos para estudar a economia.

 

A teoria econômica e os economistas clássicos

 

A ciência econômica surge com os economistas clássicos. Eles trabalhavam suas teorias à luz do racionalismo científico e das escolas do modernismo.

 

 

Adam Smith (1723-1790)

 

Smith era um economista inglês da escola clássica. Ele foi autor da obra A riqueza das nações. É considerado o iniciadorda teoria econômica moderna. Ele acreditava que a riqueza vinha do trabalho.

 

David Ricardo (1772-1823)

 

David Ricardo também foi um famoso economista inglês do final do século XVIII e início do XIX. Ele influenciou as idéias econômicas da época e da sociedade.

 

Ele mostrou como a acumulação de capital, acompanhada de aumento populacional, provoca uma elevação da renda na terra, até que os rendimentos decrescentes diminuem de tal forma os lucros que a poupança se torna nula, atingindo-se uma economia estacionária, com salários de subsistência e sem nenhum crescimento econômico. Sua análise de distribuição do rendimento da terra foi um trabalho seminal de muitas das ideias do chamado período Neoclássico.

 

Jean Baptiste Say (1768-1834)

 

Say era um economista francês que criou a lei que dizia que “a oferta cria a sua própria procura”. A lei de Say é uma norma econômica Neoclássica que afirma que a oferta agregada da economia é que determina o nível de produção dessa economia. Se um produtor vende seu produto, na visão de Say, “o valor que obtém com essa venda será gasto com a mesma vontade da venda de seu produto”, ou seja: “a ofertade um produto sempre gera demanda por outros produtos”. Para Say, não havia as chamadas crises de “superprodução geral”, pois tudo o que é produzido é consumido, já que a demanda de um bem é determinada pela oferta de outros bens, de forma que a oferta agregada é sempre igual à demanda agregada.

 

 

Thomas Malthus (1766-1834)

 

Considerava que enquanto a produção de alimentos era linear, o crescimento populacional era exponencial e haveria, em algum momento, a falta de alimentos. Essa tese de Malthus era chamada de lei da população.

 

Por seu turno, John Stuart Mill, economista da época, criou a lei do interesse pessoal, a lei do salário, a lei da renda, a lei da livre-troca internacional e da livre concorrência.

 

Teoria neoclássica

 

Posteriormente, no século XIX, a partir de 1870, vieram as ideias dos economistas socialistas, como Alfred Marshall, Robert Owen, Karl Marx.

Apesar de questões microeconômicas ocuparem o centro das atenções, houve uma produção rica em outros aspectos da teoria econômica, como a teoria do desenvolvimento econômico de Schumpeter e a teoria do capital e dos juros de Böhm-Bawerk. Deve-se destacar também a análise monetária, com a criação da teoria quantitativa da moeda, que relaciona a quantidade de dinheiro com os níveis gerais de atividade econômica. Karl Marx era crítico da teoria econômica. Seu pensamento influenciou várias áreas do conhecimento humano, entre as quais: filosofia, história, sociologia, ciência política, antropologia, psicologia, economia, comunicação, arquitetura, geografia e muitas outras. Em uma pesquisa da rádio BBC de Londres, realizada em 2005, Karl Marx foi eleito o maior filósofo de todos os tempos.

 

Em relação à economia, a grande obra de Karl Marx é O capital, na qual ele faz a análise da sociedade capitalista. Trata-se de uma obra sobre economia política, porém nesse livro Marx aborda economia, sociedade, cultura, política, filosofia.

 

John Maynard Keynes (1883-1946)

 

Economista inglês, publicou em 1936 sua obra Teoria geral do emprego. Ela foi tão impactante na época que muitos autores a denominam Revolução Keynesiana.

 

Segundo o pensamento keynesiano, um dos principais fatores responsáveis pelo volume de emprego é explicado pelo nível de produção nacional de uma economia, que por sua vez é determinado pela demanda agregada ou efetiva. Ou seja, inverte o sentido da lei de Say ao destacar o papel da demanda agregada de bens e serviços.

 

Atualmente, a teoria econômica continua em evolução. O uso da informática possibilita uma análise de um volume muito maior de dados, e informações e teorias qualitativas podem ser trabalhadas de modo quantitativo, como é o caso da teoria das finanças.

 

A ciência econômica moderna é “a ciência que estuda as formas de comportamento humano resultantes da relação existente entre as ilimitadas necessidades a satisfazer e os recursos que, embora escassos, prestam-se a usos alternativos”6. Ela se encaixa no contexto de conhecimento sistemático sobre as necessidades e os recursos existentes.

 

 

Unidade II

 

 

Muitas vezes a economia e a política dependem uma da outra.

 

A expressão “economia política” é utilizada em relação aos estudos interdisciplinares que se apoiam na economia, no direito, nas relações internacionais, na sociologia, na psicologia, nas ciências políticas, na administração e na contabilidade para entender como as instituições e os contornos políticos influenciam a conduta dos mercados.

Economia política lida comas teorias liberais e marxistas, que estudam as relações entre a economia e o poder político dentro dos Estados. Economia política internacional é um ramo da economia que estuda como o comércio, as finanças internacionais e as políticas estatais afetam o intercâmbio internacional e a política monetária e

fiscal.

Já a escassez pode ser entendida como sendo a limitação de recursos existentes numa determinada época e local. Ela tem origem nas necessidades de pessoas em contraposição à limitação de recursos disponíveis. Também está relacionada com a lei da oferta e da procura: quando determinado produto está em falta (devido à enorme procura), isso indica escassez no mercado.

Tecnicamente, escassez é definida como o caso onde num preço nulo a oferta de um bem é menor do que a demanda. Um bem abundante é assim classificado quando num preço nulo sua oferta ainda é superior à procura. A escassez submete os homens ao seu jugo desde sempre, levando-os a se organizarem e a estabelecerem entre si relações a fim de enfrentá-la ou, melhor falando, conviver com ela atenuando-lhe o quanto possível a severidade.

Escassez tem sentido na teoria econômica e pode afetar a vida das empresas e das pessoas.

 

Questões centrais da economia se referem à atividade econômica que afeta a sociedade e as pessoas, ou seja, questões ligadas à produção, distribuição e consumo de bens.

Tais questões afetam direta ou indiretamente tanto as pessoas quanto as organizações, que podem ter sua vida alterada ou até mesmo abreviada.

 

MONETARISTAS - defendem um maior arrocho na emissão de dinheiro para se evitar o aumento da inflação.

 

DESENVOLVIMENTISTAS - preferem ter inflação, para com isso obter o crescimento econômico, empregos e quantidade de salários.

 

 

AMBIENTE ECONOMICO

 

Um conjunto de forças e condições que cercam ou rodeiam o entorno e influenciam os seres vivos e as coisas em geral.

 

 

 

AMBIENTE ECONOMICO - conjunto de forças e condições relacionadas com a economia que influenciam as pessoas.

 

 

O funcionamento do sistema econômico

 

 

Sistema é um conjunto de componentes interagentes e interdependentes que trabalham juntos com a finalidade de alcançar objetivos comuns.

Os sistemas econômicos estão relacionados às economias dos países e seu funcionamento.

 

As organizações também podem possuir sistemas econômicos

em uma microescala.

 

 

SISTEMA ECONÔMICO - É um conjunto coerente de instituições jurídicase sociais, no seio das quais é posto em ação, a fim deassegurar a realização do equilíbrio econômico, certosmeios técnicos organizados na junção de certos móveisdominantes.

 

Na visão de Escóssia: Um sistema econômico pode ser definido como sendo a forma política, social e econômica pela qual está organizada uma sociedade. Engloba o tipo de propriedade, a gestão da economia, os processos de circulação das mercadorias, o consumo e os níveis de

desenvolvimento tecnológico e da divisão do trabalho. De conformidade com sua definição, os elementos básicos de um sistema econômico são: 1) os estoques de recursos produtivos ou fatores de produção, que são os recursos humanos (trabalho e capacidade empresarial), o capital, a terra, as reservas naturais e a tecnologia; 2) o complexo de unidades de produção, que são constituídas pelas empresas, e; 3) o conjunto de instituições políticas, jurídicas, econômicas e sociais, que constituem a base de organização da sociedade.

 

Um sistema econômico pode tomar duas versões, quais sejam: o inter-relacionamento técnico estrutural, no que respeita à armação lógica dos setores econômicos, e a perspectiva política, isto é, a versão ideológica do problema; pois daí conceitua-se sistema econômico quanto à forma de apropriação do capital e exploração do trabalho humano.

 

Ideologia Princípios gerais que norteiam os sistemas econômicos

COMUNISMO - Economia centralmente planejada com a coletivização dos meios de produção.

 

SOCIALISMO - Forte presença do Estado na economia, grau acentuado decoletivização dos meios de produção. Coexistência com apropriedade privada e o mercado. Compatibilidade com osistema democrático.

 

LIBERALISMO DO ESTADO DE BEMESTAR SOCIAL - Sistema de livre-mercado com governo grande. Elevada carga tributária e pesados programas sociais para a garantia do bem estar geral.

 

LIBERALISMO CLÁSSICO - Sistema de livre-mercado com governo pequeno. O Estado intervém sempre que o critério ético assim o desejar.

 

LIBERALISMO CONSERVADOR - Sistema de livre-mercado com governo mínimo. Apenas poucas exceções para a presença do Estado. Políticas sociais a cargo do setor privado com o incentivo do governo.

 

CONSERVADORISMO MONÁRQUICO - Sistema de privilégios de nascimento e de concessões

de monopólios comerciais e industriais. Elevado grau de protecionismo.

 

FASCISMO - Economia planejada visando a propósitos militares. Associação com o grande capital.

 

Segundo Troster e Mochón, todo sistema econômico deve responder a três perguntas básicas:

 

1. Que bens e serviços produzir e em que quantidade?

2. Como produzir tais bens e serviços?

3. Para quem produzir, ou seja, quem consumirá os bens e serviços produzidos?

 

Para fazer funcionar o sistema econômico, os mecanismos são a troca de bens pelos indivíduos e organizações e as trocar por dinheiro.

 

 

 

Diferenciando regime, estrutura e sistema econômico, para a compreensão das formas de organização da atividade econômica

 

 

REGIME é um sistema político que orienta os destinos de um país; é uma forma de governo. Em relação a regime econômico, a metodologia de cobrança de encargos tributários, financeiros e sociais referentes a impostos é o que se denomina de regime econômico.

 

A estrutura do sistema econômico é a estrutura dos agentes econômicos de um país, ou seja, das organizações que estão atuando em seu território. Elas desenvolvem relações que podem ser: produção, consumo e acumulação. As organizações podem ser ao mesmo tempo consumidoras de insumos e produtoras de bens e serviços, possuindo, dessa forma, mais de uma relação. O conjunto de relações é mensurável e forma o Produto Interno Bruto (PIB) de um país.

 

Já a atividade econômica é aquela que ocorre na economia de um país. Ela gera a rotatividade econômica, não se valendo, necessariamente, de lucros.

 

Os fluxos fundamentais e a inserção dos agentes na atividade econômica

 

Os fluxos fundamentais incluem fatores, que por sua vez incluem:

 

A moeda: é o equivalente geral e o elo entre as transações dos diversos agentes econômicos. Essas transações definem os principais fluxos da sociedade.

 

Fluxos reais: são definidos pelos suprimentos de recursos de produção pelo seu emprego e combinação nas unidades produtivas.

 

Fluxos monetários: referem-se aos pagamentos dos fatores de produção de um tipo e aos preços pagos pelos bens e serviços adquiridos pela sociedade.

 

fator trabalho – recebe sua remuneração por meio dos salários; fator

capital – sua remuneração se dá por meio do lucro, pagamento de aluguéis, arrendamentos, dividendos etc.

 

Poder aquisitivo: é a massa de recursos disponíveis pelas unidades familiares, ou seja, é sua capacidade de consumo, seu poder de compra.

 

 

A dinâmica do mercado e seus impactos nas organizações

 

 

A dinâmica do mercado significa a forma como ele funciona, ou seja, como as coisas acontecem e evoluem nesse mercado. As empresas, por meio de seus dirigentes e colaboradores, têm que aprender a lidar com a dinâmica dos mercados para obterem sucesso em suas atividades

 

Determinação dos preços e de quantidades em mercados concentrados e não concentrados

 

Os preços são a forma pela qual os participantes na economia se comunicam entre si (...), o preço da mão de obra é o salário pago.

Uma das explicações para a questão de preços pode estar relacionada com a quantidade de produtos produzidos, e a outra, com a concentração do mercado. Nesse caso, por exemplo, podese ter uma alta concentração em um segmento de mercado, ou seja, em um segmento de consumo concentrado, a empresa tem mais possibilidade de elevar os preços de seus produtos para obter uma maior margem de lucro, se há maior consumo.

Já no caso de um mercado não concentrado e com mais concorrência, fica difícil a empresa praticar preços elevados, pois existem alternativas para os consumidores. Sob esse ponto de vista, o mercado de trabalho do médico pode ser considerado mais concentrado que o do professor universitário.

 

 

 

 

Ameaças e oportunidades para as organizações dos mercados concentrados e não concentrados e estratégias de sobrevivência relacionadas

 

Nos mercados concentrados, as organizações não sofrem a concorrência de outras que trabalham em segmentos diferentes.

 

As forças externas incluem governos, sindicatos, fornecedores, clientes, enfim, tudo que está fora da organização e pode afetá-la por meio de ameaças ou de oportunidades. Uma organização pode obter apoio externamente por meio de alianças estratégicas.

Para fazer frente às ameaças do meio ambiente externo e para se aproveitar as oportunidades que surgem nesse meio, existe a possibilidade de se trabalhar o meio ambiente interno.

No meio interno, existem a eficácia e a eficiência. Estas podem ser melhoradas por meio de treinamento, uso de boas práticas, uso de normas, trabalho com qualidade, melhoria da saúde dos funcionários, melhoria da segurança, melhoria dos salários etc

Como estratégias de sobrevivência, é preciso que as organizações conheçam seu mercado, suas necessidades e quanto podem ou querem pagar por elas, de modo que, dessa forma, poderão redimensionar seus esforços, equipamentos e recursos de forma otimizada para, assim, poderem fazer frente aos concorrentes e obter lucro e sucesso nos negócios.

É preciso descobrir o que o mercado precisa, e, nesse sentido, surgem as técnicas estatísticas, as técnicas de data mining, business intelligence, gestão do conhecimento etc.

 

 

O setor público

 

O setor público é uma expressão que designa o conjunto de órgãos, entidades e empresas estatais pertencentes a uma determinada esfera do governo. Essa expressão é utilizada, frequentemente, como sinônimo de administração pública.

O conceito de setor público se contrapõe ao de setor privado, que é a parte da economia de um país que não pertence ao Estado nem é controlada por ele, como as sociedades anônimas, sociedades de responsabilidade limitada, corporações, trabalhadores autônomos e fundações.

Modelos neoliberais que pregavam a diminuição do tamanho do Estado por meio da privatização das empresas estatais e que o Estado se concentrasse somente nas áreas vitais nas quais a iniciativa privada não pudesse trabalhar.

 

 

 

Formas de ação econômica e razões da expansão das atividades públicas

 

O Estado pode agir na economia para fazer com que a ela caminhe no sentido e na direção que se deseja.

 

Entre as formas de ação econômica do Estado, estão:

 

investimentos em infraestrutura de estradas;

investimentos em eletrificação;

mudança da política monetária;

alteração da taxa cambial;

concessão de incentivos para investimentos em áreas carentes etc.

 

O papel regulador do Estado na atividade econômica e seus impactos sobre as organizações

 

Quando o Estado não investe, mas oferece a concessão para que as empresas particulares realizem a exploração de um serviço ou os investimentos, nos casos da telefonia, das rodovias privatizadas e do ensino, o Estado permite que os particulares realizem a atividade econômica, porém ele exerce o papel regulador.

O Estado regulador é bem característico das economias neoliberais.

Quando existe uma regulação efetiva e bem realizada,

quem lucra é a sociedade que passa a ter serviços de melhor

qualidade.

 

 

 

Exercícios dos vídeos

 

  1. É verossímil (verdade) afirmar que:

 

  1. Economia e política são fortemente inter-relacionadas.

  2. Aspectos religiosos determinam a conduta, mas isso não afeta a economia.

  3. Decisões e fatos econômicos não conduzem a mudanças na estrutura política das nações.

  4. A matemática e a estatística não têm aplicação nos modelos de trabalho e na análise dos fenômenos.

  5. Conceitos econômicos não se relacionam com os estudos em física e biologia.

 

R: Apenas a I relata uma verdade

 

  1. Esses bens são consumidos num curto período de tempo, como por exemplo, produtos alimentícios, de higiene, combustível entre outros. Assinale a alternativa correta:

 

  1. Bens intangíveis.

  2. Bens tangíveis não duráveis.

  3. Bens tangíveis duráveis.

  4. Bens de produção.

  5. Bens de capital.

 

R: Letra “B”

 

  1. Vasconcellos e Garcia (2003, p. 31) comentam a propósito da hipótese: “tudo o mais constante”. (...) torna-se possível o estudo de um determinado mercado selecionando-se apenas as variáveis que influenciam os agentes econômicos (...). Essa hipótese também é conhecida como:

 

  1. Maximização dos ganhos.

  2. Minimização dos ganhos.

  3. Coeteris paribus.

  4. Microeconomia.

  5. Macroeconomia.

 

R: Letra “C”

 

  1. É verdade afirmar que:

 

  1. A disciplina Economia objetiva apresentar as relações econômicas que balizam as decisões dos agentes econômicos (pessoas, residentes ou não no país, empresas e governo).

  2. O “problema econômico” é representado pelo confronto entre a política e a religião.

  3. Há recursos ilimitados em qualquer que seja o nível de riqueza da sociedade.

  4. A economia se organiza para resolver as questões ideológicas da sociedade.

Somente as atividades comerciais determinam o crescimento econômico.

 

R: Apenas a “A” esta correta

  1. É verossímil afirmar que:

 

  1. A teoria dos custos e da produção não tem interrelação.

  2. Aspectos culturais não determinam a demanda.

  3. Decisões e fatos econômicos não conduzem a mudanças na relação oferta, demanda e preço.

  4. A matemática e a estatística tem ampla aplicação nos modelos de análise dos fenômenos microeconômicos.

  5. Conceitos econômicos não se relacionam com a teoria da firma.

 

R: Apenas a “IV” relata uma verdade

 

  1. Quanto maior o emprego de alguns fatores de produção em um setor, deixando os demais constantes, menores serão os acréscimos no produto total.” Esta afirmação é verdadeira em relação à:

 

  1. Lei da demanda

  2. Lei da oferta

  3. Lei da produtividade marginal decrescente

  4. Lei do rendimento crescente de escala

  5. Definição do custo marginal de produção

 

R: Resposta correta “C”

 

  1. Considerando a concorrência pura, essa estrutura mercadológica, os produtores não fazem nenhum tipo de diferenciação entre produtos nem tentam adotar outras formas de concorrência extrapreço. Este conceito refere-se a seguinte hipótese:

 

  1. Mercado atomizado

  2. Livre entrada e saída

  3. Mobilidade de bens

  4. Tomadores de preço

  5. Não há externalidades

 

R: Letra “D”

 

  1. É verdade afirmar que:

 

  1. Em uma concorrência monopolista os produtos são homogênios.

  2. Em uma concorrência monopolista os produtos são diferenciados.

  3. Em uma concorrência monopolista determina-se a liderança de mercado pelo preço.

  4. Em uma concorrência monopolista a concentração econômica é de 100% para uma única empresa.

  5. Não é possível medir a concentração econômica em uma concorrência monopolista.

 

R: Letra “A”